Outono

Outono

28 de ago de 2012

Inauguração da Sporthalle

Nesse final de semana que passou a grande agitação aqui do bairro foi a inauguração da Sporthalle, ou centro de esportes, aqui do ladinho de casa.

O nosso bairro tinha uma Sporthalle pequena, mas quando nos mudamos já estavam construindo a nova, e agora finalmente ficou pronta! Reformaram os campos de futebol que ficam ao lado também. Ficou tudo muito bonito e chique.










A inauguração começou na sexta e terminou domingo, durando o dia todo (e no sábado à noite rolou uma festa, balada, também). Foi cheia de programações esportivas, apresentações, jogos, bem legal! Fomos no sábado à tarde, domingo de manhã voltamos pra ver o pessoal jogar tênis de mesa e domingo de tarde fui com a Marina de novo pra ver judô e ginástica.

A festa do lado de fora incluía jogos e brincadeiras pras crianças, pintura facial, balões, pula-pula (tudo de graça), além de comes e bebes, café e bolo, claaaaroooooo (tudo pago). Além de apresentações de atletismo e futebol.






O legal é que tinha muitos momentos de atividades abertas ao público, como jogar vôlei, tênis de mesa, a criançada fez ginástica, experimentou o judô, bem legal! Um baita incentivo ao esporte. A meninada praticamente acampou lá no final de semana.

Agora incentivo ao esporte mesmo é o preço pra poder ter acesso a tudo isso. Eu fui me informar e quase caí dura! É assim, aqui na cidade tem uma associação esportiva à qual a gente tem que se associar. Uma vez sócio, pode fazer o esporte que quiser sem pagar mais nada! E os preços são de 41 Euros POR ANO pra crianças e 81 Euros POR ANO pra adulto. Então por esses 41 Euros anuais a Marina pode fazer vôlei, judô, atletismo, tênis de mesa, tudo, ou só o que ela quiser, claro! Pro Rafa também tem ginástica olímpica. O Marcelo ficou empolgado pra fazer o tênis de mesa e eu fui chamada pra jogar no time de vôlei.

Eita, que acho que a gente vai virar esportista!!!!

25 de ago de 2012

A luta contra o calor dentro de casa

Continuando a série "O verão na Alemanha"...

Antes de morar aqui eu nem imaginava que íamos ter que travar uma luta terrível (diária) dentro da nossa própria casa. O inimigo é danado, ele entra sem ser chamado. Sorrateiramente ele vai acabando com a gente, deixando a gente mole...

Mas logo bolamos estratégias para acabar com ele. Agora ele não nos pega mais!

Imaginem vocês que as casa na Alemanha são feitas pra reter o calor no inverno, pra economizar aquecimento, certo? As paredes são mega grossas, os vidros são duplos, as janelas vedam que é uma beleza!

Duro é que se o calor entra, também não sai nunca mais! Então não dá pra gente dar moleza... Abrir a casa toda, como a gente faz num belo dia de calor no Brasil, nem pensar! Aqui a gente tem todo um esquema que está funcionando. De manhã a gente deixa as venezianas da cozinha e da sala fechadas, pois é ali que bate sol até depois do almoço.





Até umas 11, quando o ar de fora está mais fresco que o de dentro, a gente abre os vidros do lado "fresco" da casa pra tentar deixar o máximo de fresquinho entrar. Aí depois das 11 geralmente a temperatura de fora se iguala à de dentro (perto de 25 graus) e é hora de fechar tudo, inclusive a veneziana do quarto do Rafa, pois lá começa a pegar sol também. Depois do almoço a gente abre as venezianas que estavam fechadas de manhã, mas os vidros continuam fechados. A casa só pode ser aberta de novo tarde da noite, quando fora volta a ficar um pouco mais fresco.

As poucas vezes que o esquema furou a gente dançou, tivemos até 29 graus dentro de casa. Então o jeito é ficar o tempo todo de olho no termômetro e vigiar o inimigo!

24 de ago de 2012

Pra se refrescar vale tudo...

Mais um post da série "O verão na Alemanha" hahaha!

Dia desses eu molhei as minhas plantinhas no final do dia. Molhei primeiro a que fica pendurada no quintal. O dia foi quente, a coitadinha estava seca. Aí eu fui buscar mais água pra molhar as outras e quando volto me deparo com essa cena:

O Sr. Rafael resolveu tomar um banho de água que estava pingando da planta, só de cuequinha. Duro é que a água estava gelada (aqui não tem caixa d`água, a água vem pelo subterrâneo, e é sempre gelada). Aí o jeito foi correr pro banho quentinho de chuveiro!

23 de ago de 2012

Quem não tem praia caça com lago...

Continuação da série "O verão da Alemanha"!

Domingo passado tivemos recordes de temperatura aqui onde a gente mora. Dizem que chegou a 39 graus...

Eu não sei, onde eu tava não tinha termômetro...

Onde eu tava? Num lago, ora. Eu e mais um mundaréu de gente. Um lagão artificial que parecia uma praia de verdade. Acho que o nome era Waldener See. Mas podia ser chamado de piscinão de Ramos, hehe!










A minha prima que levou a gente. Na verdade foram uns amigos dela que levaram a gente. Foi bem legal, chegamos às 10:30hs e saímos às 17:30hs. Mas o calor tava de matar! Só ficando na água pra aguentar!

A criançada se divertiu! A gente também! Cansou, mas valeu!

21 de ago de 2012

A piscina

O calor está pegando aqui na Alemolândia. Nas férias até que não ficou muito quente, mas agora...

Mesmo assim um programa que a gente adorou fazer nas nossas férias foi ir à piscina. Começamos logo nas duas primeiras semanas de julho, quando a Marina começou o curso de natação dela, lembram? Depois pegamos gosto e fomos várias vezes.

O preço da entrada é de 3 Euros para adultos, 1.20 para crianças de 6 a 14 anos e 0.60 para crianças até 3 anos. Então vale muito a pena!

Pra continuar a falar da piscina, vou pedir ajuda agora das fotos, é claro!

Aqui estão o Rafa e o melhor amigo dele (que a gente encontrou um dia na piscina) brincando de abrir a ducha que fica ao lado da piscina e correr por baixo dela:


Antes não tinha piscina pra crianças pequenas, então o jeito era o Rafa brincar no lava-pés mesmo:



Rafa observando a bagunça das crianças com pistolas de água:


Uma vista do escorregador que a criançada adora:


Aqui o Rafa está brincando com o primo Gabriel na piscina dos pequenos, que foi inaugurada há umas 2 semanas. Detalhe que a piscina tem uns mosaicos de peixe e golfinho no fundo e no começo o Rafa não queria entrar com medo deles, hehe:




Marina curtindo a piscina:


Duas vistas do gramado em volta. A galera espalha toalhas, cobertores na grama, faz piquenique, bem farofada, bem legal! Ah, e sempre tem uns que ficam pelados, trocam de roupa ali no meio mesmo, sem preocupação, hehe (crianças e adultos)!



Aqui o Rafa começou a sentir mais confiança e deitar na água, nadar...





E a Marina aprendeu a boiar...


a mergulhar...


a nadar no fundão:


Vista das mamães cuidando de seus pimpolhos, sentadas na beira da piscina dos pequenos:


É proibido pular das beiradas das laterais, e isso tá escrito (carimbado) em toda parte. Nem todo mundo respeita, mas a Marina já aprendeu:


No final do dia a piscina brilha com a luz do sol:


E o Rafa fica com frio...


Hora de ir pra casa... Não sem antes dar mais uma entradinha na piscina grande com a irmã:


18 de ago de 2012

Primeiros dias de aula - de novo

Essa semana foi tensa pra mim. Volta às aulas da Nina e do Rafa. Se fosse só a continuação do ano letivo passado (sim, aqui estamos começando um novo ano letivo, é diferente do Brasil) estava bem tranquilo, mas tivemos que tomar umas decisões quanto às escolas e tudo mudou.

Começando pelo Rafa, ele continua no mesmo Kindergarten mas com outra turma. O que acontece é que ele entrou quase no final do ano letivo, e a maioria das crianças da turma dele eram bem mais velhas que ele. E já se conheciam. E ele entrou como um sapinho de fora, ainda sem falar alemão. As crianças não davam bola pra ele, ou até provocavam ele. Tiravam os brinquedos dele, empurravam... Aí ele não gostava de ir pra escolinha, não tinha jeito. Ele já estava ficando sem chorar, e tal, mas não estava muito feliz. Aí a diretora conversou comigo e achou melhor "repetir" o Rafa. Aqui na Alemanha ele é uma criança de fim de ano letivo, como se fosse uma criança que no Brasil tivesse nascido em dezembro, então é possível repetir a criança pra ela não ser a mais nova da classe, e sim uma das mais velhas.

Então aqui no Kindergarten do Rafa todo ano as classes mudam de sala com a professora titular, e a auxiliar fica sempre na mesma sala. Como a professora titular do Rafa não era legal e ele ama a auxiliar, a ideia veio bem a calhar. Então a turma dele mudou de sala e ele ficou, agora com novos amigos, poucas crianças por enquanto, e da idade dele ou mais novas. E com a professora auxiliar querida. E ele ficou feliz da vida! Gostou da professora nova, não chorou nem no primeiro dia. De manhã ele ainda reclama que não quer ir, que quer ficar em casa comigo. Mas quando eu busco ele normalmente ele está brincando, feliz. E está até comendo e tomando água (que aqui é com gás), coisa que ele quase não fazia antes.

Já com a Marina a mudança foi mais radical. Ela mudou de escola. E a escola nova dela é em outra cidade, ela tem que ir de trem e ônibus.

Mas vamos ao começo da história. No final de maio eu conversei com a professora da Marina sobre o desenvolvimento dela. Aí ela me disse que a Marina tinha evoluído bastante, mas que o alemão dela ainda era muito pouco pra enfrentar o quinto ano (que começaria em agosto). No quinto ano as crianças começam com matérias como biologia, história, geografia, e ela tiraria notas baixas. Então eles recomendariam que ela repetisse o quarto ano pra aprender bem o alemão primeiro e poder entrar bem no quinto ano depois. Mas achamos que essa opção era ruim, pois ela poderia ficar desmotivada já que ela já tinha feito o quarto ano no Brasil e mais uns meses de quarto ano aqui. A matéria ela já sabia e bem. E ninguém merece fazer o quarto ano pro dois meses e meio.

A melhor opção segundo a professora seria colocar ela numa escola em Friedberg, cidade que fica a 12km daqui e é onde o Marcelo estuda também, Nessa escola tem uma classe especial pra crianças estrangeiras. Eles têm só alemão intensivo, e assim que ela aprender o que eles considerarem o suficiente ela vai ser colocada numa classe normal na mesma escola. O diretor lá me disse que isso vai depender do interesse e desenvolvimento dela, claro. Que pode acontecer em 6 meses, um ano, dois anos... Pode ser que ela fique um ano e daí talvez a gente tenha que repetir ela e ela comece o quinto ano. Só que tudo bem, ela repetir o quinto ano, que tem matéria que ela ainda não teve, está OK. Além do mais, a Marina também nasceu no final do ano letivo, dia 19 de junho. Então se ela repetir o ano ela ainda vai estar entre crianças da idade dela. Ela vai ser uma das mais velhas, mas não vai ser muita diferença.

Outra coisa é que muitas crianças que eram da escola dela foram pra essa escola em Friedberg também. Então elas vão juntas no trem de manhã até a escola. E a gente achou que pra Marina, que é bem esperta, ia ser mais um incentivo essa história de ser como as outras crianças, que no quinto ano tem que pegar o trem e ir pra escola mais longe (aqui as crianças normalmente mudam de escola depois do primário).

Bom, então depois de toda a explicação, vamos ao primeiro dia de aula, que foi na terça-feira. Às 9 da manhã havia uma cerimônia de recepção dos novos alunos no ginásio da escola. Fomos com ela, meu pai também foi. Foi bem legal, as crianças dos sextos anos fizeram várias apresentações de boas-vindas aos alunos novos, a diretora, os professores, os alunos maiores, todos recepcionaram eles. Tocaram música, apresentaram ginástica,cantaram, contaram histórias. Bem bonito.









Depois cada aluno foi com a professora nova pras classes e ficaram por 1 hora, enquanto os pais comeram bolo e tomaram café na biblioteca. E a Marina também foi com a classe nova dela. Na classe dela, dos estrangeiros, uma grande parte das crianças é da Bulgária. Tem um espanhol, uma menina que fala inglês, e dois que a Marina não tem nem ideia de onde são. A maioria já é adolescente, ela é a mais nova. Devem ser uns 15 alunos no total.

Por enquanto ela está gostando, tá animadíssima de ir sozinha de trem (eu fui com ela duas vezes, e ontem ela foi sozinha pela primeira vez), está se sentindo grande, importante. E disse que quer logo ficar boa em alemão pra passar pra classe normal. Está fazendo amigos na classe dela também, está se sentindo importante porque já sabe bastante alemão perto de alguns da classe dela.

Enfim, ficamos muito na dúvida, foi uma decisão difícil da gente tomar, isso de mudar ela de escola. Chegamos há pouco tempo, ela tinha acabado de se adaptar na escola aqui... Mas quase todas as crianças da classe dela iam mesmo pra outras escolas, ela ia ter uma classe nova de qualquer jeito. E a professora dela mesmo disse, que na escola aqui ela ia ficar jogada na classe, eles não tinham tempo, estrutura, pra acelerar o alemão dela. E a gente sabia que a Marina ia adorar se sentir grande. Ir com as amigas dela pra uma escola nova. Mesmo que por enquanto não fiquem na mesma classe.

Bom, então me desculpem o sumiço, mas essa semana estava tudo fervendo aqui em casa. Adaptação dos meus dois pequenos na escola, não foi fácil. Mas já passou, agora devagar a gente entra na rotina e logo está tudo normal.

Ainda bem que passou tudo isso e que foi tudo bem, melhor do que eu pensava, de novo!

8 de ago de 2012

O fim das férias de verão

E é isso aí. O principal motivo da minha sumida do blog foram as férias de verão. Engraçado que toda vez nas férias de verão eu não consigo escrever. As crianças vão dormir mais tarde (e um dos meus horários preferidos de escrever é de noite com todos dormindo) e de dia ficam no meu pé querendo isso, aquilo e mais um pouco (o outro horário que eu gosto de escrever é de manhã quando eles estão na escola).

E agora devagar as férias estão chegando ao fim. Aí vão os indícios:

- O Marcelo ficou 3 semanas de férias e voltou ao curso dele nessa segunda-feira.
- Minha mãe voltou pro Brasil no último final de semana.
- O Rafa volta às aulas na próxima segunda e a Nina na terça.
- O calorão foi embora, será que ele ainda dá as caras por aqui?
- As papoulas estão murchando em toda parte.



- Em todas as lojas e mercados estão pululando produtos de volta às aulas.
- O trigo e a canola já foram colhidos.

Plantação de canola antes


Plantação de canola hoje





- Hoje anoiteceu às 9 da noite praticamente, o que é super cedo pois até outro dia anoitecia de verdade depois das 10 e meia...
- As lojas também estão bombando com produtos de decoração de outono (sim, aqui eles decoram as casas pra outono, inverno, primavera e verão) e de Halloween.





É triste pensar assim, então vamos falar do que foi bom! Eu diria que essas foram as melhores férias da minha vida! Passamos as férias juntos, na nossa casa nova. Férias na Europa, hein? Todo mundo da cidade foi viajar, menos a gente. E a gente nem ligou, porque pra gente ainda é tudo muito novo, muito maravilhoso! Andamos de bicicleta um monte, tomamos muito sorvete, nadamos na piscina do bairro, mas acima de tudo curtimos ficar juntos!

Que delícia de férias!